Acessibilidade
25 de Maio de 2018 10:46

Arquitetura da Favela e Tecidos Inteligentes se destacam em Workshop

Oficinas e palestras despertam interesse de alunos sobre temas de inovação e sustentabilidade

Arquitetura da Favela foi o tema de uma das oficinas do dia 22 de maio, durante o II Workshop de Arquitetura, Design e Moda. Com objetivo de desenvolver o pensamento dos participantes para determinados espaços urbanos e edificações, a oficina aconteceu uma atividade prática: a construção de uma maquete tridimensional, com uso de materiais recicláveis e inspirada nas favelas de São Paulo.

A Profa. Juliana Paiva e a Profa. Janaína Gurgel do Curso de Arquitetura e Urbanismo apresentaram uma base teórica do assunto: o surgimento das favelas, o crescimento desordenado desses locais, a comparação com Santorino na Grécia (que, visualmente, se assemelha à disposição de casas das favelas brasileiras, mas é totalmente organizada e planejada), entre outros tópicos para contextualizar a ideia inicial da atividade.

“Queríamos despertar nos alunos o pensamento em relação a como tornar esses espaços dignos de se viver, como são construídas as favelas e quais as condições de vida dos habitantes. Nas favelas, os próprios moradores são os arquitetos e constroem edificações sem nenhum planejamento que podem trazer riscos de vida”, acrescentou a Profa. Juliana.

TECIDOS INTELIGENTES

Ainda na manhã do primeiro dia de Workshop aconteceu a palestra “Aplicação de Têxteis Técnicos” que veio acrescentar conhecimento para os alunos do Curso de Design de Moda. Eles tiveram a oportunidade de conhecer a aplicação de tecidos tecnológicos na confecção de roupas. O encontro foi ministrado pelo Coordenador do curso de Engenharia Têxtil da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Prof. Marcos Silva, convidado para o evento.

O bate-papo teve como base a inovação nos tecidos inteligentes que vêm ganhando espaço no setor comercial atual devido aos benefícios para a qualidade de vida humana. O docente cita que, por exemplo, no mercado, já se encontram casacos que monitorizam o batimento cardíaco, tecidos antialérgicos, edredons antiodores por exemplo.

“Os têxteis surgem como materiais aptos a responder de maneira prevista aos estímulos do meio ambiente podendo ser de origem térmica e tendo como resposta a esses estímulos mudanças da forma e cor”, afirma o Prof. Marcelo.