Acessibilidade
29 de Janeiro de 2015 18:07

Artigo – Aos Formandos: Tempo de Celebração

Culturalmente costumamos celebrar algo sempre com um olhar para o presente ou para o futuro. Quando somos promovidos, temos filhos, avançamos em um campeonato e em muitos outros momentos semelhantes, acabamos por comemorar a felicidade apenas momentânea e/ou a expectativa de um futuro novo e brilhante que surge diante de nós.

São poucos os eventos que promovem uma sensação de reflexão e de olhar para trás com carinho e referência. Ganhadores olímpicos normalmente repassam todos os anos de treinamento árduo e suas privações quando sobem ao pódio. Dizem ser saboroso e recompensador, mas é também penoso.

Existe, porém, alguns poucos eventos que trazem uma carga de felicidade e de um olhar, normalmente doce e saudosista, sobre o passado. Em uma rápida enquete com um grupo de recém-formados, descobriu-se que a formatura é um desses raros momentos mágicos em nossas vidas.

A pesquisa tentou traduzir o sentimento reinante no momento da colação oficial e a definiu como: “um misto de intensa alegria e de uma gostosa nostalgia”.

O mês de janeiro é repleto desses deliciosos instantes, com relatos dos mais variados, porém, quase sempre repletos de orgulho, júbilo e saudades daqueles jovens e adultos que acabaram por vivenciar um importante rito de passagem em suas vidas.

Peça a um recém-formado que descreva suas sensações no momento em que subia ao átrio para receber seu diploma e ouvirás, na maioria dos casos, relatos de alguém que “viu seus últimos anos passarem diante de seus olhos” naqueles poucos passos em direção ao tão desejado diploma.

Naquele momento específico, muitos deles acabam por esquecer-se do futuro profissional que se descortina em sua frente. Suas cabeças ficam focadas no passado, em todas as sensações da intensa mudança pessoal que a experiência universitária causou em suas vidas. Em rápidos flashes eles se lembram dos momentos com os amigos, dos estudos, das festas, das alegrias e das frustrações vividas com aquele grupo de vitoriosos que celebram, com orgulho, o direito de receber o prêmio por sua dedicação e empenho.

São tantas e tão intensas as experiências vividas naqueles anos, que muitos percebem, ali mesmo, que jamais passarão por algo similar no resto de suas existências.

Lembrem-se que muitos ficaram pelo caminho, alguns derrotados pelas dificuldades e pelos desafios acadêmicos, outros pelas impossibilidades conjunturais. Aqueles que ali estão, “recebendo seus canudos”, sentem-se como verdadeiros vencedores, pois passaram com louvor por uma fase importante da sua vida. Sabem bem que novas portas se abrirão dali para frente. Mas deixemos esse momento para depois. Agora é hora de celebrar, orgulhar-se e olhar para trás com muito carinho.