Acessibilidade

Central de Atendimento: (84) 4020-7890

4 de Fevereiro de 2016 11:47

Artigo – Carnaval: uma festa democrática e cultural

Chegou o Carnaval, festa profana que marca o calendário religioso e antecede as celebrações da Semana Santa. Esta época do ano é marcada pela alegria e criatividade, quando as pessoas saem das suas casas vestindo fantasias e adereços em busca de diversão. Para mim é uma época que traz certa nostalgia. Os carnavais de “antigamente” soavam mais inocentes, apesar da ousadia característica desses dias de festa. Nos divertíamos em família, mas também aconteciam as paqueras nas matinês, tão disputadas pelos jovens foliões. Tudo parecia permitido, mas tinha um tom de romantismo e inocência. Com o passar dos anos, os carnavais no Brasil foram se tornando mais comerciais. A banalização do sexo e das drogas tornou-se uma característica e o romantismo dos carnavais de rua e clubes foi se perdendo. As “baladas carnavalescas” caríssimas ganharam espaço e as famílias ficaram sem opções para aproveitar o feriado de Momo.

Alguns grandes polos ainda conseguiam manter suas tradições, a exemplo do famoso Carnaval do Recife, com seus blocos líricos e manifestações culturais para todos os gostos, que conseguem arrastar multidões compostas por jovens, casais, idosos e crianças. Todos juntos e fantasiados, espalhando bom humor e alegria por onde passam.

Mas, há alguns anos uma movimentação interessante tem ganhado força. Grandes cidades têm revitalizado seus carnavais de rua. O Rio de Janeiro é um grande exemplo disso. Seus blocos de rua hoje reúnem milhares de pessoas ao melhor estilo dos “antigos carnavais”, não se resumindo aos luxuosos desfiles da Sapucaí.

Em Natal podemos ver um movimento de retomada dessa tradição, através do esforço do poder público em parceria com a iniciativa privada. Nos últimos anos, a capital potiguar tem oferecido aos foliões opções culturais interessantes que permitem escolher ficar na cidade e curtir um Carnaval multicultural espalhado por vários polos, com representações tradicionais, como Baile de Máscaras no Largo do Atheneu, os blocos e seus estandartes espalhados por todos os lugares. As pessoas daqui não se cansam de falar que esse tem se tornado um carnaval familiar, que levaram seus filhos e seus pais no ano passado ou retrasado, que optaram por ficar aqui, pois está melhor que em outros lugares.

É realmente interessante ver que o Carnaval parece estar se tronando romântico novamente, ao menos em alguns lugares. Esse romantismo une e faz desse movimento um presente cultural a cada um que participa. Seja pelos shows e atrações ou pelas movimentações peculiares a cada região.

Já é Carnaval, portanto, vamos aproveitar da melhor forma, com responsabilidade e bom senso. Tem diversão e tem cultura. Se o Brasil é o país do Carnaval, que seja conhecido por ser o país de uma festa pacífica e bonita, democrática, acima de tudo, levando cultura e lazer para todos, independentemente da raça, credo ou condição social.