Acessibilidade
3 de setembro de 2014 12:16

Artigo – “E-labora: da teoria à prática… na visão dos alunos” (Parte 1)

Conforme prometido, iniciaremos hoje nossa série que mostra a percepção dos alunos quanto às “experiências práticas” em seu aprendizado.

Para tanto, utilizaremos nosso Centro de Excelência da Escola de Exatas (e-Labora) que desenvolve, neste ano, nove projetos com diversos parceiros da nossa sociedade.
Neste primeiro capítulo trataremos de dois desses projetos, sob a ótica de alunos participantes.

José Danilo Diógenes é o aluno que inaugura nossa série. Ele é aluno do 10° período de Engenharia da Computação e, junto com mais três estudantes, está envolvido em um projeto que busca desenvolver um sistema de auxílio para a locomoção de deficientes visuais.

“O que me atraiu no projeto foi a ideia de aplicar os conhecimentos obtidos durante o curso em favor da sociedade, ajudando de forma inédita e efetiva pessoas com deficiência visual”, diz Danilo. Ele considera que o desenvolvimento de tecnologias inovadoras, como a proposta pelo projeto, terá grande impacto em publicações especializadas. Sobre a oportunidade de trabalhar em um projeto de pesquisa aplicada, José Danilo não tem dúvida: “Acelera o desenvolvimento de habilidades e competências profissionais, gerenciais, comportamentais e acadêmicas.” Ele considera ainda que um envolvimento desse tipo amadurece o aluno para sua atuação após o curso universitário, “pois está implícito nesse processo que problemas são encontrados, tratados e superados, demonstrando a real capacidade que devemos ter na vida profissional.”

Além do projeto citado, o e-Labora também busca outras soluções para a “saúde” da nossa sociedade. E foi um projeto de Fisioterapia que atraiu dois alunos do curso de Sistemas de Informação, entre eles Claudio Stefanny Leite, atualmente no 8° período do curso.

O projeto consiste, como detalha o aluno Claudio, no desenvolvimento de um sistema para auxiliar a realização do exame de medição da amplitude do movimento, por meio de ângulos, no curso de Fisioterapia da UnP.

Ele foi atraído para o projeto de pesquisa pelo aspecto prático envolvido e futura utilização por parte de estudantes universitários e profissionais da área. E um fato destacado por ele é a supervisão, ao longo de todo o processo, de um orientador com pleno domínio de metodologia de projetos. “A pesquisa aplicada permite que eu coloque em prática o conteúdo acadêmico, o que certamente contribuirá na aquisição de experiência para a minha carreira profissional.”

Podemos assim observar que, nos relatos de hoje, Danilo e Claudio também estão aproveitando seus projetos para desenvolver algo muito valioso em nossos dias: a possibilidade de, através de seus conhecimentos, ajudar ao próximo utilizando recursos acadêmicos e ideias inovadoras!