Acessibilidade

Central de Atendimento: (84) 4020-7890

26 de Fevereiro de 2015 08:35

Artigo – O que você vai ser quando crescer?

Desde pequeno escutamos a pergunta sobre o que queremos ser quando crescermos. As respostas iniciais, normalmente, são vinculadas aos nossos sonhos infantis, e se fossem tornadas realidade teríamos, então, um mundo repleto de astronautas, jogadores de futebol, princesas e tantas outras deliciosas fantasias da nossa infância.

Com o passar do tempo, começamos a nos aproximar de algumas profissões que estejam em linha com as principais áreas de conhecimento que mais simpatizamos ou temos facilidade. Surgem, assim, futuros engenheiros, veterinários, médicos, músicos e atores/atrizes. Quase sempre profissões automaticamente vinculadas aos conhecimentos básicos de matemática, português e outras disciplinas do Ensino Básico e, também, às habilidades naturais que algumas crianças começam a demonstrar como, por exemplo, o gosto pela música, dança e teatro.

Os anos mais “decisivos” começam, então, com a entrada dos nossos jovens na adolescência. Nessa fase, a pergunta se torna mais incisiva e passa a tomar mais tempo nas cabeças dos adolescentes. Dúvidas e mudanças drásticas tornam-se comuns na agitada vida de cada um deles e, pela primeira vez, começam a surgir uma miríade maior de possibilidades. “Futuros engenheiros” começam a dividir-se entre “Mecânicos”, “Químicos”, “de Alimentos”, “Mecatrônicos”, etc. As opções do campo de Saúde também se ampliam e começam a pipocar discussões sobre oportunidades e características muito além da Medicina. Opções como Odontologia, Enfermagem, Terapia Ocupacional, Psicologia e muitas outras começam a ganhar destaque e um número cada vez maior de adeptos.

O mesmo se passa em todas as áreas e, em pouco tempo, percebemos que o horizonte de possibilidades amplia-se drasticamente. Facilmente dezenas de alternativas de profissões aparecem no radar dos jovens.

Além disso, “profissões do futuro” também começam a disputar espaço no debate e nosso atordoado estudante começa a se questionar sobre o que deverá realmente cursar.

Não existe uma fórmula mágica para facilitar suas vidas nessa difícil escolha, mas alguns iniciativas podem ser tomadas para ajudá-los nessa fase tão angustiante:

I) Busquem conversar com o máximo possível de pessoas em busca de informações e aconselhamento;
II) Pesquisem sobre as profissões e carreiras que mais lhe interessam. Descubram os prós e contras de cada opção;
III) Por último, e certamente o mais importante, escutem seu coração e busquem algo que os façam felizes! Não acreditem em modismos. Lembrem-se que suas profissões serão suas verdadeiras “casas”, ou seja, o local de trabalho será onde passarão a maior parte do tempo de suas vidas. Por isso, busquem a felicidade nesse processo de escolha!