Acessibilidade
7 de agosto de 2014 12:03

Artigo – Pronatec

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) foi criado pelo Governo Federal, em 2011, com o objetivo de ampliar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica. Desde 2013 esse Programa passou a contar também com o apoio das entidades privadas para a oferta de vagas aos candidatos que buscam oportunidades em cursos técnicos.

A entrada dessas instituições privadas levou a um grande salto no volume total da oferta, que chegou neste semestre a quase 300 mil vagas em todo o território brasileiro.

Somente no Rio Grande do Norte foram mais de seis mil e setecentas vagas que, se somadas às cerca de cinco mil e seiscentas do primeiro semestre, levariam ao incrível número de mais de 12 mil vagas ofertadas em 2014 para os estudantes do nosso estado.

Apesar de ser um Programa que ainda carece de melhorias, como tudo na vida, o Pronatec possibilita qualificar milhares de jovens com conhecimentos extremamente importantes para nossa a economia. Vale sempre também lembrar que este programa é totalmente gratuito para seus aprovados, que contarão com 100% de aporte público para sua formação.

Dessa forma, dezenas de milhares de estudantes poderão tornar-se profissionais de nível técnico e, com isso, aumentar significativamente suas condições de empregabilidade. Estamos aqui falando de uma imensa massa de mão-de-obra necessária aos mais diversos setores de nossa economia, incluindo Saúde (Enfermeiros, Técnicos em Radiologia, em Saúde Bucal, em Análises Clínicas, etc), Exatas (Eletrotécnicos, Mecânicos, Técnicos em Desenho de Construção Civil, etc) e diversas outras áreas e profissões (Informática, Hospedagem, Logística, Meio Ambiente, etc).

Enfim, temos diante de nós uma grande oportunidade de trazer uma boa parcela dos nossos jovens ao mercado de trabalho, dando-lhes uma formação técnica imprescindível para nossa sociedade.

Para tanto, devemos nos mobilizar e incentivá-los, fazendo com que se candidatem e se dediquem aos cursos escolhidos. Devemos também, como sociedade, zelar pela qualidade dos cursos, pois é exatamente nosso dinheiro que financia os estudos e qualificação dessa parcela da população brasileira.

Ainda estamos longe de termos a mão-de-obra que necessitamos para nosso crescimento e desenvolvimento e, provavelmente, sem o foco no Ensino Básico e Médio talvez jamais venhamos a tê-la. Assim mesmo, temos a obrigação de aproveitar toda e qualquer oportunidade para melhorar o nível educacional de nossa gente, sobretudo em um país tão carente de pessoas com conhecimento técnico.