Acessibilidade
16 de julho de 2012 19:34

Discurso da Reitora Sâmela Gomes na Colação de Grau do curso de Medicina

Autoridades, Comunidade Acadêmica, Convidados, Familiares, novos médicos, estamos chegando ao final desta Assembleia. 

Uma Assembleia de extrema importância para nós, pois nela, estamos entregando à sociedade, os primeiros Médicos formados pela Universidade Potiguar.

Eu costumo dizer nas colações de grau que a formatura é a realização de um sonho. Mas no dia de hoje, eu ressalto que este momento é a materialização do sonho de muitos; um sonho que se iniciou com Professor Paulo de Paula, que hoje nos honra como nosso convidado, com uma equipe de Professores que se dedicou a construir o melhor projeto de Medicina e que fizeram deste projeto, seu próprio desejo, como Professor Ion; Professora Graça; Professora Sandra; Professora Fátima Pedrosa; Professora Goreti; Professor Carlos Moura; Professora Dulcimar, que hoje não se encontra mais entre nós; Professora Socorro Morais e tantos outros que deixaram a sua marca, sua visão, sua paixão.

Tivemos parceiros nesta trajetória de suma importância, como Agnelo Alves, que sonhou este sonho junto conosco.

Era o embrião de um curso sendo gestado e gerado por muitas mentes, corações e mãos. 

Quando autorizamos o curso de Medicina tivemos o filho nascido e vieram vocês, a nossa primeira turma; que exigia cuidados e que participaram ativamente para que nós encontrássemos sempre o melhor caminho. E parabenizo a todos vocês e lhes digo: vocês são corresponsáveis pelo legado que deixam. Hoje, o nosso curso de Medicina é reconhecido como um dos melhores do Brasil e o melhor do nordeste.

E agradeço a todo o corpo docente e aos Professores Fernando Suassuna e Giselle Gasparino, por este trabalho excepcional e coletivo. 

A partir deste momento vocês se tornam Médicos formados pelos conceitos de formação em saúde hoje exigidos para o mundo que precisa de cuidados, onde, para além da excelência da técnica, existem princípios ético-estético-políticos, valores e visão sistêmica sobre ambiente, espiritualidade e política de saúde que são também elementos que fazem de vocês médicos-cidadãos, protagonistas da história e não meros objetos dela. A quem confiamos a vida e não somente a perspectiva de Saúde. 

O meu orgulho é em saber que hoje novos Médicos poderão fazer a diferença em nosso mundo e sociedade no trajeto de suas carreiras. 

Médicos que não se inspiram na docilização dos corpos, como já disse Michel Foucault, através da biopolítica da medicalização e simples ordenamento. Mas Médicos que podem potencializar vidas, porque entendem que o processo de saúde-doença não é algo linear, mas sim algo que envolve o projeto de felicidade de cada um dos seres humanos. Que frente à pergunta já feita por Spinoza: o que pode um corpo? Pode responder como Frida Kahlo, grande artista que, sem poder andar, disse “para que pernas, se posso voar?”

O que lhes peço é que nunca esqueçam dos princípios nos quais se formaram; que não desistam de lutar a boa luta e que inspirem-se na Vida, na Alegria, na Virtude. Este mundo que agora será o grande paciente de todos vocês, inspira atualmente muitos cuidados, pois vivemos a terrível liquidez da pós-modernidade que nos deixou perdidos, atônitos, anestesiados, sem eixos onde nos apoiar. Contudo, ainda existe o maior dos remédios. Ainda existe o Amor. Continuem amando a carreira que escolheram e as pessoas que os procurarem. E nos dias nebulosos, lembrem-se de uma frase de Guimarães Rosa: “Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura”.

Sucesso a todos vocês, obrigada pela honra de terem estados em nossos bancos durante estes últimos 6 anos de suas vidas e façam, para os próximos longos anos que estão por vir, tudo isso valer a pena.

Parabéns, Primeira Turma de Medicina da Universidade Potiguar.

E com estas palavras declaro encerrada esta Assembleia Universitária.