Acessibilidade

Central do Candidato: (84) 4020-7890 / Central do Aluno: (84) 3227-1234 +

+

13 de junho de 2019 18:05

Encontro de Psicologia debate adoção e inclusão

O evento teve programações para manhã e tarde do dia 5 de junho

Organizado por alunos e professores do Curso de Psicologia, o III Encontro Adotivo: Atitude adotiva em relação pela inclusão foi realizado no dia 5 de junho, no auditório da Unidade Roberto Freire. Na programação, palestras, mesa-redonda e também lançamento do livro da aluna Mona Lisa de Sá, da 5ª série, com o título “Abrindo portas: Ressonância Real”, que fala sobre adoção. Bianca Ávila, da 6ª série, contou sua história na mesa-redonda “Expectativa e Realidade na Adoção” falando sobre sua experiência como mãe adotiva.

O objetivo maior do encontro é aproximar essa temática com a maior quantidade de pessoas possíveis e, dar orientações reais e atualizadas sobre o processo adotivo. Foi falado sobre adoção tardia, as crianças invisíveis, mais velhas que moram em abrigos e que ainda não foram alcançadas, elas não são vistas por terem sido criadas em instituições, pela sua idade ou cor. Este é um tema que vem sido apresentado em sala de aula, na vida das pessoas, nos atendimentos que são feitos no Serviço Integrado de Psicologia (SIP). “Queremos derrubar alguns mitos com base na informação e aproximar as pessoas, no sentido delas entenderem melhor todo o processo de adoção de uma maneira mais segura”, acrescentou a docente de Psicologia, Profa. Carina Cavalcanti.

O grupo de atores “NUATO”, formado por alunos do Curso, foi convidado para fazer uma apresentação. Eles criaram um texto baseado na má-gestão da adoção, na forma que as crianças são vistas: como produtos. “Criamos a peça para criticar essas atitudes que fazem com as crianças que estão em processo de institucionalização, em um orfanato ou casa abrigo, são vistas como produtos. A verdade é que eles precisam mais do que isso e não só como um bem adquirido”, declarou o aluno da 9ª série, Jonatas Oliveira.

A peça foi apresentada em forma de leilão onde duas crianças eram os principais produtos e os interessados apresentavam suas propostas. Foram oferecidos; casa, comida, escola particular, curso de inglês, aula de natação, entre várias outras coisas. Mas a ideia principal foi mostrar que as crianças nessa situação precisam mais do que isso, elas precisam de amor, carinho e afeto. “Foi uma crítica e quem assistiu pode ter se sentido desconfortável por ver um leilão com crianças, é algo chocante”, acrescenta Jonatas.