Acessibilidade

Central do Candidato: (84) 4020-7890 / Central do Aluno: (84) 3227-1234 +

+

28 de dezembro de 2012 17:10

Estudante da UnP é aprovado na Universidade de Harvard

O estudante Marcelo Rodrigues Zacarkim, que concluiu no último dia 26 o Curso de Medicina da Universidade Potiguar, foi aprovado em uma das instituições mais prestigiadas do mundo, a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, para o curso “Clinical Research Fellow Practice”, de 2013 a 2014. Em entrevista, o médico recém-formado fala sobre sua paixão pela Medicina, elogia a Universidade Potiguar e  conta sua trajetória como estudante até a admissão em Harvard. Confira:
 
Entrevista

Marcelo Rodrigues Zacarkim
 
1- O que te levou a escolher o Curso de Medicina?

A curiosidade sempre foi uma característica muito forte na minha personalidade. Desde novo me interessava pelas descobertas do homem em diferentes campos, descobertas essas que levavam a avanços que iam mudando a vida das pessoas. Com o tempo esse meu interesse só foi aumentando, no entanto se tornando cada vez mais específico por achados que não só melhoravam a qualidade de vida, mas também levavam a um aumento da longevidade do homem. Foi exatamente na Medicina que encontrei o que procurava, um curso que me daria o conhecimento suficiente tanto para me aprofundar nesses trabalhos de pesquisa quanto para ter o contato direto com o paciente e poder ajudá-lo.

2- De que forma o Curso de Medicina UnP contribuiu na sua formação pessoal e profissional?

Na decisão de ter uma escola como segunda casa, a UnP foi a minha escolha. Toda equipe da Universidade Potiguar me acolheu de braços abertos, de maneira que fui participativo em monitorias, estágios hospitalares em centros de referência da cidade e pude acompanhar de perto outros cursos da área da saúde. Durante o curso tive a oportunidade de ser diretor local da IFMSA (International Federation of Medical Students’ Associations) que é parte da DENEM (Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina) e filiado ao Centro Acadêmico de Medicina com total apoio da Escola da Saúde UnP. Essa experiência me fez ter contato com estudantes de medicina de diferentes países, onde amadureci bastante e desenvolvi habilidades de organização, liderança e interação com as pessoas. No campo profissional, aliando a excelência de ensino por professores capacitados, os recursos usados em aulas teóricas e práticas, e o incentivo à pesquisa, fizeram com que desde o início do meu curso eu tivesse os primeiros conhecimentos que tanto procurava e os materiais necessários para dar início aquele objetivo que sempre tive. Iniciei diversas pesquisas e tive oportunidade de apresentar em congressos nacionais e internacionais, em países como Espanha e Estados Unidos, além de ter feito um estágio clínico na Grécia e ter publicação em periódico na Argentina. Toda essa experiência veio enriquecer o meu conhecimento e também aguçar a minha vontade de passar um tempo fora do Brasil após o término do curso.

3- Sobre o curso em Harvard, quais as informações gerais e como você conquistou a vaga?

As universidades dos Estados Unidos recebem alunos do mundo todo há muitos anos. Quando optei por passar um tempo fora, as minhas escolhas foram Estados Unidos, Inglaterra e Austrália. O processo para estudar fora é demorado e bastante burocrático, de maneira que quando recebi a primeira resposta positiva, me empenhei ainda mais para as entrevistas.

De maneira sucinta, a primeira etapa foi feita através de análise de currículo, histórico escolar, trabalhos publicados, nível de inglês, cartas de recomendação e um breve “personal statement”. Assim que selecionado, passei por uma sequência de entrevistas online até ir a Boston pessoalmente. Quando recebi a carta de aceitação do Dr. Felipe Fregni, diretor do curso, o mesmo foi enfático ao dizer que o conjunto citado acima somado ao meu desempenho nas entrevistas foi fundamental para fazer parte do grupo Harvard 2013-2014.

O curso “Clinical Research Fellow Practice” se trata de pesquisa clínica, onde terei atividades práticas e teóricas de segunda à sexta no hospital Beth Israel Deaconess Medical Center – Hospital Universitário da Escola de Medicina da Harvard.  O objetivo do curso é aumentar o interesse de acadêmicos oriundos de países em desenvolvimento em pesquisa clínica e ciências básicas. A proposta é treinar médicos para que os mesmos se tornem líderes com colaboração internacional e para isso terei o privilégio de ser treinado pelo renomado cardiologista Dr. C. Michael Gibson, cuja vasta reputação recebe premiação anual como “America’s Top Doctors”  pelo U.S. News & World Report.

4- O que significa para você essa conquista? É a realização de um sonho?      

Quando tinha 16 anos fiz o último ano do “High School” nos Estados Unidos, mais exatamente no Estado de Connecticut e foi lá que comecei a ouvir falar das Universidades mais conceituadas do mundo. Lembro que os alunos americanos aplicados almejavam Harvard, Yale, Stanford, Princeton, Oxford e outras. Desde aquela época eu queria um dia ser um aluno em Harvard, no entanto esse sonho eu terminei deixando guardado até que eu me sentisse capacitado para isso e ao término do curso de medicina, recebi um e-mail de pré-seleção frente a tantos estudantes do mundo todo.

Essa conquista mostra que o sonho daquele adolescente veio se concretizar aos 26 anos, ou seja, há tempo para tudo, o que se precisa é se preparar e investir no que se almeja. Agradeço muito a Universidade Potiguar por ter contribuído para a minha formação e, consequentemente, a realização desse sonho.