Acessibilidade
23 de Março de 2016 17:40

Moda ensinada por quem faz moda: Ronaldo Fraga participa de bate-papo com alunos da UnP

Uma noite de aprendizado para os alunos dos Cursos de Moda da UnP foi abrilhantada com as presenças da pesquisadora em negócios da moda, Doutora Ana Paula Miranda e o renomado estilista mineiro de fama internacional, Ronaldo Fraga.

A moda vive e ganha vida a cada dia, ultrapassa os muros culturais, crises políticas ou econômicas, se inventa e reinventa. Muito além dos acessórios e das roupas exibidas em desfiles e expostas nas vitrines, a moda é uma profissão e por trás dela há estudiosos, teorias, literatura, memórias, história e paixão, muita paixão. Esse é um resumo de um bate-papo sobre moda que aconteceu na noite da quarta-feira, dia 22 de março, na Universidade Potiguar, integrante da rede Laureate.

À frente da conversa, a pesquisadora em negócios da moda, Doutora Ana Paula Miranda e o renomado estilista mineiro de fama internacional, Ronaldo Fraga, que estiveram em Natal a convite do Sebrae. O público foi formado por alunos e professores da Graduação em Design de Moda e da Pós-Graduação em Cultura da Moda da UnP. Um encontro casual, organizado pela Professora Virgínia Borges Azevedo, Designer de Moda com mestrado em Estudos da Mídia, que coordena o curso de Pós-Graduação em Cultura da Moda.

A noite ímpar rendeu aprendizados e encantamentos, mas, principalmente, resultou em um olhar mais “pé no chão” sobre o mercado da moda. Ana Paula Miranda, com um currículo que soma teoria e prática nos segmentos de fashion branding e comportamento de consumo, iniciou falando aos alunos sobre a importância do estudo na área da moda. De acordo com a expert, “quando você estuda, você compreende o porquê das coisas e, só assim, é possível interferir na realidade sem repetir discursos, inovando. O estudo leva ao conhecimento que, por sua vez, possibilita a inovação”.

Com uma carreira que fala por si, Ronaldo Fraga não só faz moda como também ensina sobre. Na UnP, deu seguimento ao bate-papo apresentando um vídeo sobre sua coleção Inverno 2016 “E por falar de amor”, que foi criada com base em sua visão sobre esse tão intenso sentimento. O conceito e as etapas de elaboração de sua atual coleção são minuciosamente expostos na tela e uma narrativa resume a obra do autor: “Em tempos de guerra, falar de amor é um ato de subversão e resistência… amor dá pano pra mangas, pra vestido, pra ternos e para um guarda-roupa inteiro”.

Com uma sensibilidade artística que domina a atenção dos alunos e professores, Ronaldo comenta sobre como foi produzir uma coleção que fala de um sentimento “num tempo em que tudo é mercantilizado”, e como foi transformar o amor em moda, quando o fim da moda é o consumo. Para o estilista, discursões sociais também são debatidas e transmitidas através da moda, que ocorre quando o designer olha e observa o mundo ao seu redor e produz algo com base em suas observações. Nesse processo, Fraga chama a atenção para a importância de se deixar as tendências de lado para, dessa forma, formar uma identidade de criação.

Quando o assunto se torna a famosa expressão “tendência”, a pesquisadora Ana Paula alerta o público destacando que “o que já está em uso deixou de ser tendência e passou a ser vigência. É preciso observar o mundo para poder projetar o futuro e é essa projeção que podemos chamar de tendência. Aquilo que ainda está por vir. Para isso, é necessário olhar além do sistema da moda para fazer moda. É preciso olhar para o sistema cultural”.

Entre o que é tendência, vigência, moda, consumo, mercado, cultura e marketing, os convidados especiais do bate-papo responderam às dúvidas dos alunos, trouxeram doses sobre a realidade da área e deixaram mensagens importantes para os futuros profissionais. Ronaldo Fraga alertou que “a ideia de enriquecer com moda é algo dos anos 80” e isso já não é real. Na moda há espaço para muito trabalho, muita pesquisa, estudos, reinvestimentos e todas as etapas de criar e comercializar devem ser pensadas de forma rápida. Para o estilista, “o grande segredo para criar é ter repertório e ressignificar tudo ao seu redor”. O conselho final do profissional internacional para os alunos da UnP foi simples e direto: “a vaidade é um erro. Na moda não se deve pensar em concorrência, mas em trabalhar com paixão, organização, pensando na alma e na qualidade do produto e, principalmente, estar disposto a trabalhar muito”.