Acessibilidade

Central do Candidato: (84) 4020-7890 / Central do Aluno: (84) 3227-1234 +

+

30 de Março de 2016 18:20

Nutrição, gastronomia e antropologia se encontram em palestra de pesquisador espanhol

A palestra deu aos participantes a possibilidade de conhecer e refletir sobre curiosidades e dados que englobam o desenvolvimento da sociedade e sua maneira de perceber e consumir a comida.

“A cozinha de um país é a sua paisagem colocada na panela.” Com base nessa frase, o professor espanhol Jesús Contreras inicia a palestra “Outras Maneiras de Comer: Perspectivas Contemporâneas”, no auditório da Unidade Floriano Peixoto, em Natal, no dia 29 de março. O evento foi uma realização dos cursos de Gastronomia e Nutrição da Universidade Potiguar, integrante da rede Laureate.

Com um currículo extenso, Jesús Contreras é pesquisador da Universidade de Barcelona e uma referência internacional em antropologia da alimentação. Trata-se de uma área de pesquisa pouco difundida, que estuda aspectos como os tabus religiosos envolvidos na alimentação, comidas e cultura popular, e relações sociais a partir dos hábitos alimentares. De passagem por Natal, Contreras foi convidado para palestrar na Universidade Potiguar pela Professora dos Cursos de Nutrição e Gastronomia, Ana Maria Miani, que é Doutora e Mestre em Nutrição e Metabolismo pela Universidade de Barcelona, sob a orientação do Professor espanhol.

Durante sua apresentação na UnP, o antropólogo abordou alguns aspectos que envolvem a alimentação e a evolução social, e traçou uma linha de tempo relacionando épocas e comportamentos sociais com o consumo alimentar. A escassez de alimentos até o século passada gerou uma insegurança que provocou a intensificação da produção e industrialização de alimentos. Como consequência, hábitos alimentares foram alterados, como por exemplo, o consumo de produtos enlatados levou a desvalorização das receitas e reuniões familiares em torno da comida.

De acordo com os estudos do pesquisador, a industrialização de alimentos substituiu a insegurança da escassez pela insegurança do excesso. Os novos hábitos alimentares junk/fast food geraram obesidade e outras doenças, além de uma cultura do desperdício na sociedade. Esses desequilíbrios alimentares foram observados em meados dos anos 60, e partir daí as indústrias, ciência e o mercado publicitário passam a estimular um novo tipo de comportamento alimentar, com a implantação de sistemas de normatização da produção alimentar, necessidade de rotulagem e controles de qualidade.

Nos anos 80, estudos e estatísticas que relacionam doenças com alimentos passam a ser mais amplamente divulgadas, e o comportamento social e alimentar começam a seguir as “tendências” que publicadas nos estudos, dando início a divulgação das dietas restritivas como o lacto vegetarianismo, macrobiótica, funcional e tantas outras que antes eram praticadas por um público específico e hoje passam a ser expandidas.

A palestra deu aos participantes a possibilidade de conhecer e refletir sobre curiosidades e dados que englobam o desenvolvimento da sociedade e sua maneira de perceber e consumir a comida, analisar a ideia de comer como ato social. Para o público, o pesquisador Jesús Contreras ressaltou, “dividir hábitos alimentares, preferências e aversões alimentares, proporcionam sentido de pertencimento e de identidade social.”