Acessibilidade

Central de Atendimento: (84) 4020-7890

23 de Maio de 2016 09:50

Universidade realiza assistência às crianças com microcefalia em Natal

Nos últimos dois anos o Brasil viu crescer o número de crianças com o diagnóstico de microcefalia congênita associada ao Zika vírus, doença causada pelo mosquito Aedes aegypti. No Rio Grande do Norte, atendendo a uma solicitação oficial da Secretaria Municipal de Saúde de Natal, por meio de um aditivo de convênio, a Universidade Potiguar, integrante da rede Laureate, cumpre sua missão de contribuir com o desenvolvimento da comunidade na qual está inserida e através do Centro Integrado da Saúde (CIS), localizado na Unidade Salgado Filho, iniciou no dia 16 de maio o atendimento às crianças com microcefalia e suas famílias.

O CIS da UnP passa a ser um centro avaliador para estimulação precoce nas áreas de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Psicologia aos pacientes com a condição já diagnosticada. Professores, preceptores e estagiários dos cursos da Escola da Saúde UnP formam uma equipe interprofissional, capaz de oferecer um acolhimento e uma avaliação global das crianças, resultando em um plano terapêutico com acompanhamento semanal de cada caso. Em Natal, a SMS registrou até o mês de maio 31 casos de microcefalia.

Na segunda-feira, dia 16 de maio, a equipe do CIS UnP atendeu o primeiro paciente com microcefalia. B.L.S.A., 6 meses de vida, natural de Natal, é uma criança tranquila e risonha, e logo conquistou a equipe de acolhimento. A criança, que já passou pelo setor de regulação da SMS, deu início ao tratamento fisioterapêutico com a Professora Sanny Aquino, Fisioterapeuta especialista em Fisioterapia Neurológica. Na mesma semana, a criança ainda passa por uma avaliação do neuropediatra e inicia o tratamento fonoaudiológico, enquanto sua família recebe assistência psicológica e esclarecimentos sobre o caso.

Para a mãe do pequeno B.L.S.A., a jovem J.R.S.S., a assistência é considerada excelente e a equipe prestativa a deixou mais tranquila. O Pai, também presente durante a primeira sessão com a fisioterapeuta, percebeu a necessidade do tratamento e acompanhamento semanal do seu filho, e acredita que o apoio dos profissionais do CIS só tem a contribuir com o desenvolvimento do bebê.

Sobre a importância da fisioterapia no tratamento de crianças com microcefalia, a Professora Sanny Aquivo explica que, “a fisioterapia, como todas as outras terapias, tem grande importância no tratamento das sequelas neuropsicomotoras advindas do processo da microcefalia. A estimulação dessas crianças visando a neuroplasticidade é de fundamental importância para que se consiga o máximo de capacidade motora e cognitiva de acordo com os níveis de gravidade e sequelas, porém, sempre almejando o máximo possível da capacidade psicomotora. A estimulação precoce associada às técnicas de inibição e/ou facilitação da aprendizagem e padrões motores podem e devem ser usadas como forma de abordagem, inclusive interdisciplinarmente e com continuidade e treinamento familiar junto a orientações e esclarecimentos necessários”.

De acordo com o Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde Pública, publicado em 8 de maio de 2016, “no Rio Grande do Norte, foram notificados 421 casos suspeitos de microcefalia relacionados às infecções congênitas. Desses, 316 são de nascimentos ocorridos em 2015, 91 são de nascimentos ocorridos até a semana terminada em no dia 7 de maio, e quatro foram de nascimentos ocorridos em 2014”. Os dados representam uma nova realidade para muitas famílias, que tiveram que entender o que é microcefalia e buscar meios para oferecer qualidade de vida às suas crianças. A doença é uma malformação congênita identificada pelo perímetro cefálico dos bebês e a consequência é o não desenvolvimento de algumas capacidades do cérebro, de forma simplificada, em virtude dos ossos da cabeça se unirem muito cedo.

As crianças atendidas pelo CIS passaram por cadastro prévio e foram encaminhadas à Universidade. Os pais que desejem cadastrar-se no programa deverão buscar informações na SMS.

*Os pais entrevistados solicitaram que a identidade da família fosse preservada.